Relato de Parto natural - Renata + Thiago = Théo

• Parto Adequado • parte 1 por Renata Ruiz 


Agora um relato de uma mulher que não acreditava na sua própria força natural.
Filho, quando eu e seu pai descobrimos que estávamos grávidos, nos entregamos de corpo e alma à você. Começamos nossas pesquisas, nossos estudos, conversas sem fim. Tudo pensando no melhor pra mim e pra você. Contamos com a ajuda das amigas da mamãe que foram minha referência sobre esse assunto. Nós viemos de longe, onde o parto normal é natural. E chegamos ao Brasil com algumas decepções médicas. É, o médico da mamãe não quis mais me atender se eu não pagasse para fazer o parto com ele. 

Mas como tudo em nossas vidas tem a mão do papai do céu, nós descobrimos uma roda de gestantes no Hospital São Lucas. 

image

Encontro onde as mamães e profissionais do Hospital se encontram para estudar e tirar dúvidas. Foi aí que encontramos um anjo, nossa doula. 

A gente não sabia o que era isso, muito menos o que ela faria. Mas a Adriana Vieira, ela sim, nossa doula, anjo, e que virou grande amiga, nos ajudou desde o dia que a conhecemos. Fizemos um curso com ela e outros casais grávidos, onde aprendemos o que estava acontecendo dentro de mim, como você estava se desenvolvendo na minha barriga e tudo sobre o parto adequado. 

Como seria, a ordem das coisas, maneiras que pudéssemos aliviar a dor, e muita, muita conversa. Depois disso, no finalzinho da gravidez, onde a ansiedade já era bem grande, a mamãe e a nossa anjinha da guarda, foram fazer exercícios, acupuntura, andamos na praia, tudo com muita alegria sempre pq essa é a marca registrada dela rs.

image
image

• Parto Adequado • parte 2


Enfim, chegamos à 41 semanas e você continuava no quentinha da minha barriga sem sinal de querer vir ao mundo. E por orientação médica, nos internamos para induzir o parto. Horas depois, começaram as contrações. Uma dor e uma sensação que eu jamais tivera sentido antes


image
image

. Nós três juntos como combinamos, eu, seu pai e nossa anjinha. Do chuveiro para cama, da cama para banheira, e mais suspiros de dor,   e aí a parte fundamental do nosso parto. Sim filho, a mamãe não trouxe você ao mundo sozinha. O parto foi nosso. Meu, seu e do seu pai. Papai teve fundamental, essencial importância naquele momento. Quando vinha a dor, o papai pedia pra mamãe pensar no lado positivo da dor e eu em cólicas, gritando, já perguntava qual? E ele me acolhendo e fazendo tudo o que era possível, me relembrava que a cada dor forte que vinha, mais perto do nosso filho nascer estava. Entre uma contração e outra, ele estava lá, jogando água quente na minha barriga fazendo massagem, colocando músicas pra me acalmar e a nossa anjinha também ao nosso lado, fazendo massagem, óleos de lavanda e muito amor

Quando a dor já era tamanha e a vontade de você nascer infinita, pronto, mais ajuda do papai do céu. Chegou a médica. Era a plantonista do hospital. Que eu tinha medo de ser um médico cansado, louco pra fazer cesariana e ir embora pra casa descansar, apareceu ela. Firme, sem me dar muita moleza, falando que existe parto sem médica, sem doula, sem pai mas não sem mãe. Era preciso me concentrar pra te trazer ao mundo. E com força, uma força que eu não sabia que tinha e muita ajuda, você nasceu. Em um parto adequado, lindo e natural. 



Esse foi o parto adequado pra mim, pra nós. E cada mulher tem direito de ter o seu. Do jeito que quiser e sonhar.
Hoje você está aqui conosco, e como sempre, a palavra da nossa nova vida, é gratidão. Gratidão pela sua vida, pelas pessoas que conhecemos e pela força e amor que a mamãe nem sabia que tinha 💙